Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CincoLusosOceanos



Terça-feira, 05.11.13

O SÍSIFO AFINAL É PORTUGUÊS!

 

Haverá Necessidade de Conhecer Bem O nosso Passado. E, As Suas Lições Por Todos Os Ângulos?

Sem Juízos Pré-Concebidos?

Mesmo Aqueles Aspectos Que Não Gostamos E Não Concordamos? 

Há, sempre houve!   Mas aquilo que mais custa por cá é que ninguém parece estar interessado, em aprender seja o que for com o passado!... 

Para quê saber história e geografia económica, história e geografia comparadas, ou mesmo a simples economia comparada, desde os gregos até à presente data, e para quê saber as nossas raízes, os nossos feitos, e os nossos defeitos!?

Que disparate, sou Gestor! Que disparate, sou Engenheiro! Que disparate, sou Jurista! Que disparate, sou Economista! Que disparate, sou Financeiro! Que chatice! Que disparate!... Já não se usa, está ultrapassado, temos que ser modernos! E, vão frequentar mais uma “Universidade de Verão” de um partido da moda!

Que lhes importa, que o outro tenha dito e demonstrado que era grande, porque se alçava nos ombros dos gigantes, que o tinha antecedido!

O que importa é destruir tudo o que se já se fez, se não feito por eles!

Até porque eles, os outros, não sabem o que fazem, dizem... não eu não faria nunca assim….

Esteja bem ou mal feito!

Nem um "Sísifo Português" faria melhor!

Porque agora é que vai ser!...  Porque agora é que é!   Magnífico, é o último grito!... O melhor do... O maior do... O melhor da... O maior da... O mais moderno... A mais moderna... Porque agora estamos aqui!... Porque agora vamos para ali!...

Custando sempre milhões, muitos milhões, fazendo tudo de novo, do zero, mesmo que o que houvesse sirva perfeitamente para fazer o arranque ou a continuidade de uma progressão segura, se fosse estudada, e pensada, e planeada, com frugalidade e sustentabilidade de meios!

Mas não! O que é preciso é panache e grande pompa, deixar um momento glorioso, mesmo que oco para a posteridade!

Dando sempre azo à vã cobiça, e à cobrança do corço no novel empreendimento, quer em honrarias quer em espécie, e a uma inveja mesquinha, insidiosa e irresistível, que sempre se instala, e leva sempre a uma conspiração de estúpidos qualquer, para subirem e lucrarem através de um videirismo oportunista, custe o que custar!

São todos muito cheios de modernidade, mas como têm o seu saber e conhecimento colado à pressa, numa tentativa de colmatar o seu despovoamento mental, usam a leitura apressada de uns apontamentos facultados à última hora por um assessor qualquer, para "botar faladura" e impressionar a assistência do momento!

-São muito inteligentes, sabem muito disto, comentam os cidadãos espectadores. Enganados mais uma vez pela aparente profundidade da "faladura".

Porque também eles, os Cidadãos da assistência, refletem pouco nessas coisas, e são pouco atentos à qualidade real dos actores.

Mas mesmo quando a assistência não comente as loas propaladas, comentam eles, e a sua máquina de propaganda, e declaram sem sorrir…  que ainda está para nascer alguém melhor que eles, nem que nascessem duas vezes! E, dizem isso sem sorrir!... Convictamente!

Ao nunca terem estudado atentamente os porquês das coisas, e ao copiarem modelos aparentemente eficazes directamente de chapa, aplicando-os de forma pouco estudada, e descontextualizada do contexto onde se inseriam, ficam depois sempre muito admirados, por terem sido surpreendidos pela geoestratégia eficaz, progressivamente sustentada e agressiva dos outros, e do falhanço do modelo aplicado!

E os Cidadãos?

Os cidadãos passam o tempo num suplicio de Tântalo, agora é que é mas... Mas afinal não foi!... Afinal agora vai ser!.. Mas afinal não é!.. Num eterno, e contínuo, não é nunca, geração a geração!

O corolário  não menos grave deste problema é a falha gravissima,  que constitui o não se ter a tradição de reter em Think Tanks, na Academia ou em Fundações Institucionais, os seus Seniores. 

Com essa ausencia de boas práticas, o País perde muito, porque pela heterogeneidade dos seus saberes, os Seniores com isso podiam fazer a ponte entre gerações, até porque a audição e o questionamento de alguém vivo e activo é sempre muito mais profícuo, do que o simplesmente consultar dos trabalhos livros, cartas, mails e artigos publicados.

Despreza-se assim todo o capital intelectual acumulado e já decantado, que estaria facilmente disponível a todos,  e permitiria às gerações presentes e futuras ganhar tempo, evitando o reinvento a cada geração da roda do conhecimento da memória do tempo, e o cair nos mesmos erros já cometidos em gerações anteriores, com toda a corte de desperdício de meios e valor.

Era então também fundamental deixar  ao critério dos Seniores, o continuarem a contribuir muito ou pouco na medida das suas possibilidades, para a progressão e acumulação do conhecimento.

Ah! Mas não!

Que lhes importa que o outro tenha dito e demonstrado, que era grande, porque se alçava nos ombros dos gigantes que o tinha antecedido?! Mesmo sabendo bem que nem todos que o tinham antecedido, contribuíram para os degraus da construção das suas teorias, pela mesma via da  linha do seu pensamento, mas o que importa, se, até o que não se confirmou e é contrário é importante!

Não só porque ser contrário, sabe-se hoje que pode ser provisório, mas mesmo que seja definitivo, contribui para a sempre perene memória do tempo, ou das coisas a evitar.

Por cá nunca se teve esse cuidado! 

Precisa-se de renovar gerações já!

Mesmo quando as gerações pela baixa de natalidade, já nem se renovam em numero!

Na realidade só querem dizer com isso, que o que se quer fazer é... Trocar os teus pelos meus! 

Porque agora é que vai ser!... Porque agora é que é!
Porque, é o melhor do... O maior do... O melhor da... O maior da... O mais moderno... A mais moderna... Porque agora estamos aqui!... Porque agora vamos para ali!...  Não queremos velhos do Restelo!

Esquecendo-se que o pior velho do Restelo é a falta de conhecimento, do conhecimento decantado pelos anos e ainda vivo, na guarda de alguém que o viveu!

Uma Nação que esquece o passado, inevitavelmente negligência o conhecimento que dele pode ser extraído. E, por consequência, não pode esperar muito de seu futuro.

O conhecimento e a memória Nacional, ao não estarem em primeiro plano em nossas preocupações são um grande risco! 

Ao não aprendermos com o passado, estamos ameaçados de repetir erros e ou sermos eternamente condenados a ter de recomeçar tudo do zero.
Tudo de novo! 

Num eterno, e contínuo, não é nunca!

Começando do zero tudo sempre, mesmo quando já perto do cimo, ao melhor estilo de um Sísifo Trotkista. 

 JB

imagem: Sísifo de Tizano 1540 in Wikipédia 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por cincolusosoceanos às 09:18


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930